Abrindo 2017 com chave de ouro!

Normalmente, eu uso a expressão “chave de ouro” para finalizar um ano, mas neste 2017 vai ser diferente. A “Chave de Ouro” servirá para abrir os trabalhos. E meio tarde, para falar a verdade, porque eu costumo iniciar o site já em Março. Contudo, 2017 está se mostrando um ano muito estranho, com projetos diferentes e várias coisas muito bacanas, todas querendo acontecer ao mesmo tempo.

Porém, não há como negar: 2017 será, sempre, o ano em que participei do projeto Livro do Mês, em Passo Fundo. O projeto esta ligado à Universidade de Passo Fundo e à Jornada Literária, o que me deixa extremamente satisfeita. E não apenas por participar, o que já é uma grande coisa, mas por participar com um título em especial: Padrão 20 – uma amaça do Espaço-Tempo, publicado pela BesouroBox em 2014. O livro é uma novela infanto-juvenil de Ficção-Científica e aí está o detalhe que me deixa tão feliz. Afinal de contas, quando comecei a escrever meus contos, durante a minha adolescência, o gênero que eu lia e escrevia era Ficão-Cientifica. Meus trabalhos com a Fantasia só apareceram depois. Além do mais, o livro, que em 2015 foi finalista do Prêmio Argos  de Ficção-Científica, no Rio de Janeiro,  e do Prêmio Livro do Ano, da Associação Gaúcha de Escritores, em Porto Alegre, tem alguns detalhes que servem de inspiração e homenagem: os títulos de cada capítulo remetem a alguma obra de FC, tanto estrangeira quanto nacional, detalhe que não passou desapercebido pelo público leitor da Capital Nacional da Literatura.

Foram dois dias intensos de muita conversa, troca de informações e de formalização de ideias. É maravilhoso poder conversar com um público que realmente leu e, mais do que isso, passou além da fronteira das páginas e da história, e saiu à caça das referências espalhadas pela história, dando à leitura a dimensão que ela realmente merece: a multi-dimensão que as mídias do nosso cotidiano nos permitem vivenciar.

Por outro lado, não posso deixar de dizer: o meu lado infantil ficou muito feliz por estar na cidade que acolheu a música e o talento de Teixerinha como se fosse filho daqueles pagos. Teixerinha, para quem não sabe, era um músico gauchesco muito famoso na minha infância, um artista multimídia que compunha, cantava, fazia shows e, ainda por cima, foi o responsável por alguns dos principais sucesso cinematográficos gaúchos da época como “As Sete Provas de Teixerinha“, filme que encheu alguma tarde da minha infância de uma mirabolante aventura em torno de uma herança perdida.

Fica aqui um abraço à sensacional equipe que não apenas me convidou mas, na real, cuidou de mim esses dias. Um grande abraço e um muito obrigada à Tânia Rösing, a grande mente por trás disso tudo, um abraço e um agradecimento carinhoso à professora Maria Augusta, a Guta, que, mais do que uma acompanhante, me conquistou como amiga, e à toda a equipe que fez sentir que a Literatura é possível, é uma janela para o ser humano ver além dele mesmo. E também fica aqui um agradecimento à BesouroBox, que mediou a minha ida até Passo Fundo e me permitiu viver esses momentos tão especiais. Muito obrigada, gente!

Confira a entrevista para a TV-UPF, clicando AQUI.

Confira a matéria realizada pela assessoria da UPF, clicando AQUI.

 

Simone Saueressig

Este espaço abriga o trabalho literário da escritora gaúcha Simone Saueressig. Aqui você encontra informações sobre seus livros e bibliografia além de informações sobre o ciclo da Terra da Magia, ou seja: A noite da grande magia branca, A Fortaleza de Cristal e aurum Domini - O ouro das Missões.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *